Relatório Confirma O Contributo Da Ryanair E Companhias Aéreas Low-Cost Para A Economia E Integração Europeia

15 May 2018

Ryanair, a companhia aérea nº1 na Europa, acolheu hoje com agrado as conclusões de um projecto de investigação levado a cabo pelo CEPS (Centro para os Estudos de Políticas Europeias) relativamente ao impacto das companhias aéreas low-cost na Europa em termos de integração e padrões de mobilidade.

O relatório, intitulado “Companhias Aéreas Low-Cost: Tornando a UE mais próxima”*, inclui vários meios para avaliar o alcance da contribuição de companhias aéreas low-cost como a Ryanair na integração Europeia, incluindo na mobilidade de trabalhadores e estudantes, viagens de trabalho e turismo de lazer. Com um enfoque em dados quantitativos, bem como casos de estudo qualitativos individuais, o relatório permitiu destacar como a conectividade de baixo custo permite melhorar a qualidade de vida. O relatório conclui que as companhias aéreas low-cost têm tido um papel vital no processo de aproximação da Europa ao fomentar a mobilidade e tornando as viagens aéreas possíveis para um público mais amplo.

As companhias aéreas low-cost – lideradas pela Ryanair – revolucionaram as viagens aéreas ao longo dos últimos 30 anos. Desafiando os monopólios de tarifas elevadas das companhias aéreas de bandeira por toda a Europa, a Ryanair e outras companhias de baixo custo contribuiram mais para a integração Europeia através das viagens, turismo e mobilidade laboral do que, possivelmente, qualquer outra instituição.

Este ano, a Ryanair irá:
• Transportar 138 milhões de passageiros em mais de 1800 rotas
• Operar em 216 aeroportos em 37 países
• Apoiar a economia local e o desenvolvimento regional de zonas com menos viagens
• Apoiar mais de 103000 empregos (de forma directa ou indirecta) por toda a Europa**
• Ajudar os estudantes de Erasmus a poupar mais nas suas viagens – mais de €3.3 milhões poupados desde Agosto de 2017
• Continuar a estimular a mobilidade laboral e as viagens de negócios através da tarifa Ryanair Flexi Plus
Continuando a oferecer as tarifas mais baixas e a selecção de rotas mais abrangente, a Ryanair apelou à UE para que se debruce sobre temas-chave na aviação – incluindo taxas de viagem, greves da ATC (controladores aéreos) repetitivas e injustificadas, falta de competitividade e restrições de capacidade aritificiais – que continuam a travar a possibilidade de um maior crescimento na indústria.

No lançamento do relatório em Bruxelas, Kenny Jacobs, da Ryanair, declara: “A Ryanair recebe com bastante agrado as conclusões deste relatório do CEPS, cujo objectivo era compreender qual o alcance do contributo das companhias aéreas low-cost para a integração Europeia. Como se confirma por este relatório, as tarifas baixas ajudaram à criação de um novo e crescente mercado para pessoas que nunca teriam viajado de outro modo. Assim se manifesta a conexão e integração da Europa, ao mesmo tempo que são criadas oportunidades de emprego e o aumento dos gastos no turismo.”

*Consulte o relatório “Companhias Aéreas Low-Cost: Tornando a UE mais próxima” aqui
**Pesquisas da ACI confirmam que até 750 empregos locais são mantidos em aeroportos internacionais por cada 1 milhão de passageiros