Ryanair Chega A Acordo Com O Sindicato De Tripulantes De Cabina Alemão Ver.Di

08 Nov 2018

Tripulantes De Cabina Italianos Aprovam Cct Com  Maioria De 88% Em Votação Com Elevada Adesão

Acordos De Reconhecimento Com Sindicatos De Tripulantes De Cabina Assinados Na Grécia E Suécia

8 de Novembro de 2018. Ryanair confirmou hoje que assinou os contornos de um Contrato Colectivo de Trabalho (CCT) e Plano Social com a Ver.di, o sindicato Alemão de tripulantes de cabina, que cobrirá todos os tripulantes da Ryanair com base na Alemanha. Este acordo (que será agora sujeito a votação por parte de todos os tripulantes) confirma a aplicação da legislação laboral Alemã aos tripulantes de cabina da Ryanair e aportará aumentos salariais e outros benefícios a todos os tripulantes de cabina com base na Alemanha ao longo dos próximos 2 anos.

A Ryanair confirma ainda que os seus tripulantes com base em Itália votaram esmagadoramente (88%) a favor do CCT assinado recentemente entre a Ryanair e os 3 principais sindicatos de tripualntes de cabina – FIT CISL, ANPAC e ANPAV. Este CCT, que inclui aumentos salariais e outros benefícios, entrará agora em vigor para todos os tripulantes em Itália durante os próximos 3 anos.

Durante a semana passada, a Ryanair assinou ainda novos acordos de reconhecimento com sindicatos de tripulantes de cabina na Grécia (RACU) e na Suécia (UNIONEN). A Ryanair irá agora trabalhar com estes sindicatos em CCT que cobrirão a longo prazo todos os tripulantes na Grécia e Suécia.

Eddie Wilson, o Chief People Officer da Ryanair, comentou:

“Estamos encantados por assinar este CCT com a Ver.di, que levará a melhorias salariais e outros benefícios para os nossos tripulantes de cabina com base na Alemanha, contrato este que será sujeito a votação dos nossos tripulantes ao longo da próxima semana. Este acordo surge no seguimento de uma votação  de enorme sucesso em Itália e acordos de reconhecimento sindical recentes na Grécia e Suécia.

Uma vez mais, estas ações demonstram o progresso significativo que a Ryanair tem levado a cabo em termos de acordos com os nossos funcionários e os seus sindicatos em diferentes países Europeus.”